Identificação para malas

Para bolsas, malas e mochilas, a linha de tags da Printas é em PCV com 10,8 x 6 cm, e cada identificador retrata tem diferenciado ou divertido. R$ 11.
 
 
Publicado na edição 205 - janeiro/2017

Os problemas de quem viaja

Segundo levantamento da GTA - Global Travel Assistance, empresa especializada em seguro viagem, os atendimentos médico-hospitalares encabeçam a lista das sinistralidades mais frequentes, com 63,6% das ocorrências em viagens. Os problemas mais comuns enfrentados pelos turistas são indisposição intestinal, fraturas ocasionadas por quedas, febres e indisposição em função dos impactos climáticos.
 
Em segundo lugar estão as ocorrências relacionadas aos voos e cancelamentos de viagem, com 17,33%. Na terceira posição, com 13,28%, vêm os temidos perrengues envolvendo o extravio da mala do passageiro, compra de medicamentos prescritos pelos médicos no Exterior e orientações jurídicas, quando o cliente se envolve em um acidente de trânsito, por exemplo.
 
Por último, com 5,78% das ocorrências, estão as solicitações de informações sobre repatriação sanitária (transporte de doente até o domicílio de origem), na coordenação das reservas aéreas ou orientação quando há extravio ou perda de documento. “Somente quando ocorre um imprevisto é que as pessoas percebem a importância de ter algum tipo de cobertura, ainda mais num momento em que os custos costumam ser enxutos”, ressalta o presidente da GTA, Celso Guelfi.
 
Publicado na edição 205 - janeiro/2017

Gorjeta: vai ou não?

Fazer uma viagem ao Exterior é entrar em uma nova cultura. Em cada país há um modo de viver e de agir. Uma das dificuldades mais frequentes é na hora de pagar a conta: afinal, qual é a regra da gorjeta? A BeeCâmbio listou o costume em alguns países. Na Índia, por exemplo, um país com uma pirâmide social muito ampla, a gorjeta é muito importante, de porteiros de hotéis a taxistas, ou seja, é uma prática obrigatória. Também é assim nos Estados Unidos, por isso ter notas de um dólar é essencial para distribuir nos bares e restaurantes e, no Canadá, onde até os bartenders esperam por uma gorjeta.
 
O que não acontece na Nova Zelândia e Austrália, onde os garçons têm um bom salário e se sentem desconfortáveis ao receber a gorjeta. A exceção, na Austrália, é se você perceber que quem te atende é um estudante; nesse caso, ele aceitará a gorjeta de bom grado.  Na Dinamarca, não é comum dar gorjeta, mas ela é aceita em restaurantes. É assim, também, no Chile onde não se cobra a gorjeta, mas se deixa 10% do valor da conta nos restaurantes. Na Alemanha, se o garçom não recebe alguma gorjeta entende que o serviço não foi bom para o turista. Já na Turquia, Uruguai, Portugal, Chile e Suécia a gorjeta é opcional, entre 5 e 10% do valor da conta, enquanto que na Bélgica, Finlândia, Suíça, Malásia e Peru a gorjeta vem inclusa na conta.
 
Na Dinamarca, pode ficar tranquilo: o costume é ninguém receber gorjeta. Mas um detalhe importante: em um mesmo país, pode haver variação dos costumes de região para região. Por isso, é bom perguntar qual o costume local para não passar por constrangimentos.
 
Publicado na edição 204 - dezembro/2016

Pesquisa mostra onde sua mala some

Pesquisa feita pela ComparaOnline, empresa de venda online de seguros e produtos financeiros, mapeou as regiões onde ocorrem com mais frequência extravio de bagagem. 
 
Nos aeroportos europeus, segundo o estudo, as reclamações abertas sobre extravio, perda, atraso ou furto de bagagens são 20% mais recorrentes do que em outras regiões do mundo. A pesquisa apontou que na Europa o índice de reclamação é de 40%, enquanto que na América do Sul é 19%, América do Norte 16% e Ásia 10%.
 
Paulo Marchetti, CFO da ComparaOnline no Brasil, diz que a pesquisa foi feita para que “o turista se informe melhor a respeito de possíveis contratempos em aeroportos. É um tipo de situação que causa aborrecimento e, por isso, muitos viajantes procuram por coberturas complementares se precavendo contra estes transtornos”.
 
Os principais motivos de reclamações são: extravio em conexões, 45%; embarque não realizado, 19%; erro na emissão da passagem/troca de bagagens/ segurança/outros, 16%; embarque errado, 4%; erro na chegada da aeronave, 4% e erro na etiquetagem, 4%.
 
Publicado na edição 204 - dezembro/2016

Salas VIP no Galeão

Passageiro que usa o Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, agora não precisa ser membro de algum programa de fidelidade para ter acesso a uma sala Vip. O Plaza Premium Lounge abriu dois espaços Vips no Galeão: no Píer Sul e no Edifício-Garagem do Terminal 2 que atendem a área nacional e internacional. Para usar é só apresentar a passagem aérea. Nos ambientes, pratos quentes e frios, jornais e revistas, tvs e wi-fi.
 
 
Publicado na edição 204 - dezembro/2016